O que é biotecnologia?
O que é biotecnologia  
A biotecnologia usa fontes biológicas, como microrganismos ou células,  para desenvolver produtos que sejam úteis para as pessoas.
Ela está em toda a parte, desde alimentos e medicamentos, até biocombustíveis e microrganismos que ajudam a controlar a poluição.
Ela torna a vida das pessoas mais confortável e oferece soluções para problemas sociais e ambientais.
 
O termo biotecnologia foi cunhado em 1919 pelo engenheiro agrônomo húngaro Károly Éreky, décadas antes da descoberta do DNA, em 1953.
Ele acreditava que com ela seria possível resolver problemas como falta de alimento e energia.  
Hoje, esse sonho se tornou uma realidade, e inúmeras empresas e instituições de pesquisa desenvolvem produtos biotecnológicos, com potencial aparentemente ilimitado para trazer benefícios às pessoas. 

Medicamentos biotecnológicos   
Qualquer medicamento produzido a partir de fontes biológicas é um medicamento biotecnológico — também chamado de biológico.
Mas, na década de 1970, a engenharia genética abriu caminho para uma nova classe de biológicos: as moléculas orgânicas projetadas.  
Essas moléculas são produzidas por células ou microrganismos modificados geneticamente para que tenham o efeito desejado. Alguns dos biológicos que já eram usados há muito tempo, como as vacinas e a insulina, hoje são produzidos pela engenharia genética. 
As moléculas naturais são bem maiores do que as pequenas moléculas dos medicamentos sintéticos tradicionais — como analgésicos e antibióticos —, que são desenvolvidos quimicamente.
Outra diferença é que os biológicos não podem ser ingeridos, pois suas moléculas complexas são degradadas na digestão.
Eles devem ser aplicados por injeção ou infusão.  
A medicina do futuro será altamente personalizada, baseada no sequenciamento do genoma de cada indivíduo e na epigenética, ou seja, a influência dos fatores ambientais na leitura do DNA da célula.
O diagnóstico será feito através da análise dos genes e sua expressão, que vai indicar também a dosagem e a forma de administração do remédio, de acordo com características individuais do paciente.  
No Brasil, os biológicos só ficam disponíveis para os  pacientes após a aprovação pela ANVISA.